RESILIÊNCIA: Investimento em áreas verdes fortalece segurança das cidades

Foto: Joel Vargas/PMPA
Foto: Joel Vargas/PMPA

 

No processo de construção do Espaço Urbano, a manutenção de áreas verdes está entre as necessidades mais crescentes apontadas pela população. Além dos benefícios ecológicos e estéticos evidentes, estudos recentes desenvolvidos nos Estados Unidos apontaram que os investimentos nesses locais trazem mais segurança às cidades e colaboram de forma expressiva para o fortalecimento da Resiliência.

A lógica por trás é simples: se os gramados e árvores forem mantidos cuidados e limpos, encorajam a comunidade a passar mais tempo nos espaços, aumentando a fiscalização informal feita pelos próprios cidadãos. De acordo com matéria publicada no portal do Projeto 100 Cidades Resilientes, da Fundação Rockefeller, o campo de pesquisa ainda é novo, mas resultados expressivos dessa relação foram observados nas cidades de Baltimore, Filadélfia e Youngstown. O material fornece elementos para as cidades reavaliarem as políticas sobre o uso de novas áreas e manutenção das existentes, especialmente para o envolvimento efetivo das comunidades locais.

O exemplo de Youngstown

A cidade do Estado de Ohio, no centro-leste norte-americano, mostrou que a colaboração da comunidade é essencial para o sucesso de qualquer iniciativa. Com a alta nos índices de desemprego, acelerada pelo processo de desindustrialização da região, o número de crimes também disparou. Uma das ações para conter o processo foi a criação de áreas verdes.

No início dos anos 2000, 31% da área de Youngstown era constituída de terrenos baldios. A partir de 2010, a cidade promoveu um programa para ativar esses espaços, dando às comunidades o financiamento necessário para melhorar e ampliar os locais.

Em 2015, um grupo de pesquisadores analisou os dados criminais dos arredores dos terrenos e encontrou um resultado surpreendente: os locais escolhidos para serem reativados tiveram uma taxa de criminalidade menor comparado aos anos que antecederam o programa.

E por aqui?

Porto Alegre é reconhecida internacionalmente por seu olhar aos espaços verdes. Atualmente, a Capital gaúcha conta com 616 praças urbanizadas, ocupando uma área total superior a 4 milhões de metros quadrados. A manutenção e a qualificação dessas áreas é uma premissa da qualidade de vida na nossa cidade, assim como Youngstown, em Ohio. Mas a simples inauguração dos espaços não é suficiente: eles devem ser acompanhados de envolvimento dos moradores.

“Investir em espaços verdes mais do que nada significa investir em espaços públicos de qualidade. Isso gera atratividade e faz com que sejam utilizados. O melhor cuidador da cidade e garantidor da ordem são os olhos dos cidadãos que usufruem desse espaço urbano”, comenta um dos vice-coordenadores do Desafio Porto Alegre Resiliente, o arquiteto e urbanista Patrick Fontes.

Confira a matéria sobre o estudo no blog do Projeto 100 Cidades Resilientes (em inglês).