Oficina em Porto Alegre avalia criação dos Indicadores de Resiliência Individual

crédito: Maia Rubim/PMPA
crédito: Maia Rubim/PMPA

Fortalecer a resiliência de uma cidade passa necessariamente por tornar seus cidadãos mais preparados para a ocorrência de eventos extremos e suas consequências. Para auxiliar na estruturação do indicador que permitirá avaliar a resiliência individual, o WRI Brasil Cidades Sustentáveis, em parceria com o Desafio Porto Alegre Resiliente, realizou na tarde desta quinta-feira, 8, a oficina para análise dessas informações.

A oficina reuniu cerca de 20 pessoas no Santander Cultural, entre lideranças comunitárias, representantes de diversos órgãos da Prefeitura e das universidades.

“É o cidadão que tem potencial para salvar vidas, que tem conhecimento do local em que vive. Por isso é importante construir os indicadores em parceria com a população”, explica Katerina Trostmann, analista de pesquisa do WRI Brasil Cidades Sustentáveis.

Leia também: 

Discussão para incorporar resiliência ao Plano Municipal de Segurança ganha força na Capital

No encontro desta quinta, os presentes apontaram os indicadores mais relevantes, que agora devem ser trabalhados e servirão como base para o produto final. O Indicador de Resiliência Individual que será usado em Porto Alegre é a primeira experiência do tipo em andamento no Brasil e será finalizado ainda em 2015.

Após concluído, o índice servirá para a criação de programas que auxiliem a população a tornar-se mais preparada no enfrentamento de situações extremas. Os dados também constarão na Estratégia de Resiliência de Porto Alegre, que será apresentada à população em dezembro.

“O resultado deste trabalho é da mais alta importância. É um material riquíssimo que servirá para orientar a população”, avalia o secretário de Governança Local e diretor do Desafio Porto Alegre Resiliente, Cezar Busatto.

O que é Resiliência?

A resiliência urbana é a capacidade de indivíduos, comunidades, instituições, empresas e sistemas dentro de uma cidade de sobreviver, adaptar-se e crescer, independente dos tipos de estresses crônicos e choques agudos que vivenciam.

Uma cidade resiliente é aquela que consegue fortalecer suas estruturas e serviços, de forma que a sua população sofra cada vez menos com impactos ocasionados por choques, estresses crônicos, catástrofes e desastres. São exemplos desses eventos as inundações, terremotos, incidência de furacões, deslizamentos de encostas, falta d’água, fortes ondas de frio ou calor, greves de transporte ou serviços essenciais, epidemias e outros.