MASTERPLAN: UFRGS apresenta estudo de revitalização do 4º Distrito

Foto: Brayan Martins/ PMPA

O Núcleo de Tecnologia Urbana da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) apresentou, na tarde desta quarta-feira, 21, o Masterplan do 4º Distrito de Porto Alegre. A equipe do NTU mapeou a região de 594 hectares e elaborou um projeto de revitalização, voltado à inovação. O estudo foi apresentado no Salão Nobre do Paço Municipal, com a presença do prefeito José Fortunati, e dos secretários das pastas envolvidas, José Luis Coigo, de Urbanismo, e Eroni Numer, da Fazenda.

A região terá multiplicada em até oito vezes as suas áreas verdes. Também receberá um polo médico e empresas voltadas para inovação, tecnologia e comunicações. De acordo com o coordenador do NTU, o arquiteto Benamy Turkienicz, o local é privilegiado, por ser plano e próximo ao Guaíba e às principais vias de acesso ao Centro Histórico e à saída de Porto Alegre.

– A facilidade de transporte e proximidade com outras cidades também vai permitir recebermos mão de obra qualificada –, observou.

Após apresentação do projeto, que é uma das iniciativas de destaque da Estratégia de Resiliência de Porto Alegre, o prefeito José Fortunati relembrou a história da região, que foi degradada a partir da década de 1970.

– Esse projeto foi estudado dentro das secretarias de Urbanismo e da Fazenda, com uma grande parceria da PUCRS e da UFRGS. Esse grupo se empenhou na recuperação de uma área que nunca passou por uma qualificação. O Masterplan prevê isso, uma qualificação através de um plano de desenvolvimento humano, de sustentabilidade e econômico. Não tenho dúvida de que o futuro de Porto Alegre começa com esse estudo de modernização do 4º Distrito –, avaliou.

O prefeito destacou o grande potencial da região, que cresceu de forma desordenada, e que, agora, poderá crescer, beneficiando moradores e toda cidade.

– Essa revitalização pode marcar a história da cidade. O futuro de Porto Alegre passa por ela.

De acordo com o projeto, há a previsão de um terminal hidroviário, prédios para empresas e startups, uma área voltada para saúde e bem-estar, com um centro clínico e um hospital metropolitano. Também há a indicação de um centro de eventos e um eixo voltado a empresas de tecnologia da informação e automação e de comunicação. O projeto prevê soluções paisagísticas que irão mitigar os efeitos de acúmulo de água da chuva, além de quadras reservadas para lojas de design e mobiliários.

O engenheiro Turkienicz também falou da possibilidade de moradias sociais para a Vila Santa Terezinha, com a comercialização, no próprio local, das peças de artesanatos produzidas pelas famílias. Também citou a Praça das Artes, um espaço privilegiado para galerias de arte, oficinas e brechós. De acordo com ele, revitalização também pode aumentar a densidade habitacional, já que, hoje, é de 28 mil habitantes, um número inferior à infraestrutura oferecida atualmente pela prefeitura. “A região pode chegar a 60 mil habitantes em 2047, metade do que o plano diretor indica”, observou.

Masterplan

O trabalho apresenta o estudo detalhado do projeto construído a partir de dados levantados pelo Núcleo de Tecnologias Urbanas da UFRGS, englobando os bairros Floresta, São Geraldo, Navegantes, Humaitá e Farrapos.

O Masterplan traz a proposta de regime urbanístico para região, voltado para arranjos específicos das atividades econômicas, em segmentos de tecnologia da informação e comunicação, saúde e desenvolvimento de novos negócios (startups), ambientes colaborativos e usos de espaços com edificações de perfil inovador e que insiram construções tomadas pelo patrimônio histórico. O convênio firmado pela prefeitura com a Ufrgs permitirá a formulação de projetos gerais e segmentados para criar estrutura e organização para a exploração das atividades, atrair investidores e diversificar a ocupação da região.